Coworking oferece estrutura completa em ambiente inspirador pautado pelos ODS

 

Internet de alta performance, área para eventos, copa e cozinha compartilhadas, coworking do Moinho é espaço para criatividade e inovação

O que é Coworking

“Quer empreender um mundo diferente? Ocupe seu lugar nesta transformação”. Com este convite, o Moinho dá a partida para a ocupação do mais novo espaço de trabalho coletivo da cidade, localizado no oitavo andar do empreendimento na Zona Norte de Juiz de Fora. O coworking oferece tudo que pessoas físicas e jurídicas precisam para o dia a dia de trabalho, seja em espaços individuais, seja em ambientes para um número maior de integrantes, como pequenas empresas, por exemplo, ou equipes de projetos.

 

O que é coworking

Com estação dedicada, salas privativas, salas de reunião, salas multiuso, recepção física, cabines de reunião, armários privativos, varanda e copa compartilhadas e internet de alta performance, o espaço foi concebido para estimular conexões. O terraço abriga ainda área para eventos, como happy hours, cursos e oficinas, dentre outros, caracterizada por uma paisagem de tirar o fôlego. Nela, a vista alcança vários bairros da Zona Norte e o olhar se perde na vastidão verde da Mata do Krambeck.

 

Localizado no minicentro urbano do Moinho, com estacionamento (diária e mensalista), bicicletário, restaurantes, café, farmácia e próximo a supermercados, casa lotérica e serviços variados, o coworking fica na movimentada Avenida Presidente Juscelino Kubitscheck, com acesso fácil e rápido.  Para quem prefere o transporte público, ônibus não é o problema. São inúmeras linhas que saem de diversos pontos do centro da cidade e param praticamente na porta no Moinho, no bairro Francisco Bernardino.

 

Outra grande vantagem está na flexibilidade dos planos comerciais do coworking. Os clientes podem optar por pagamentos mensais ou diários, de acordo com a necessidade. O espaço é parte integrante do Moinho LAB, hub de inovação orientado pelos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que busca por meio de conexões com empresas e organizações estimular o protagonismo, a convivência e a colaboração para gerar impacto positivo e prosperidade.

O que é coworking

 

 

SAIBA MAIS

Para informações e reservas entre em contato pelo whatsapp:

(32) 99130-0549

Feirinha de Negócios Locais da Zona Norte amplia visibilidade para empreendedores

Empresas puderam expor e comercializar seus produtos, alcançando público ainda maior

 

Feirinha de Negócios na Zona Norte

O significado de empreendedorismo no dicionário é a “capacidade de projetar novos negócios ou de idealizar transformações inovadoras ou arriscadas em companhias ou empresas; Vocação, aptidão ou habilidade de desconstruir, de gerenciar e de desenvolver projetos, atividades ou negócios”. Na prática, porém, empreender vai muito além disso. É necessária muita disposição, trabalho firme, força de vontade, perseverança e uma boa pitada de fé.

 

Para ampliar a visibilidade de produtos e serviços oferecidos por empreendedores da Zona Norte de Juiz de Fora, em parceria com o Projeto Feirinha da Enactus/UFJF, o Moinho realizou a segunda edição da Feirinha de Negócios Locais da Zona Norte. O objetivo foi fortalecer o empreendedorismo, criando oportunidades para comercialização, além de estimular novas iniciativas, por meio da Rede Moinho de Desenvolvimento de Negócios Locais.

 

“A segunda edição da Feirinha de Negócios Locais da Zona Norte foi muito importante para esse momento de retomada da economia. Empreendedores selecionados falaram da importância das feiras como ambientes também para troca e partilha de conhecimento. Além de comercializar seus produtos, tiveram a oportunidade de mostrar sua marca para novos públicos”, destacou o Gestor de Relacionamento com a Comunidade, André Noronha.

Evento é elogiado pelos participantes

 

A empreendedora Fabiana Gomes Henriques produz laços para crianças. Ela conta que começou e empreender depois que sua filha nasceu, porque não tinha com quem deixar a criança. Ou seja, viu na dificuldade uma chance de conciliar os desejos de empreendedorismo e maternidade. Dona da Fabis Laços, Fabiana garante que o começo não foi fácil, mas que valeu a pena começar o seu próprio negócio.

 

“No início o meu grande desafio foi não ter um lugar fixo. Eu vendia na porta das escolas e levava a minha filha no carrinho de bebê junto com os laços. Com certeza foi a parte mais difícil. Mas as pessoas foram comprando, indicando o meu produto para outras e está dando tudo certo. O mais engraçado é que eu não sabia fazer laços nem em sacola de presentes. Todo dia eu estudo para aprender cada vez mais e procuro sempre diversificar. Para começar a empreender é preciso ter coragem e força de vontade”, explica.

 

Larissa Carcerero, que produz acessórios de miçangas, começou o seu empreendimento como um passatempo para ocupar a cabeça durante a pandemia. Hoje está à frente da da Sou Artt. Ela conta que a maior dificuldade é divulgar os produtos. Por isso, viu na Feirinha uma grande oportunidade. “Comecei do zero. Só minhas amigas conheciam meus produtos. Essa feira é uma oportunidade para mostrar para mais pessoas meu trabalho, justamente para divulga-lo, que é uma das minhas maiores dificuldades”.

 

Outra participante da Feirinha, Aline Cidrini produz confecções em Patchwork e Costura Criativa. Ela uniu o útil ao agradável ao juntar costura, empreendedorismo e memórias de infância. “Minha avó foi a minha grande inspiração. Ela fazia colcha de retalhos, tinha aquela máquina de costura bem antiga de ferro, e sempre me chamava para ficar por perto enquanto costurava. Naquela época, eu não gostava de costurar e quando comecei ela já tinha falecido. Costurando, fazendo meus produtos, me sinto mais perto dela”, diz.

 

Aline Cidirni não escondeu a gratidão ao Moinho pela oportunidade de expor na Feirinha. “Através das redes sociais e das feiras, é que divulgo o meu trabalho. Estou encantada, agradecida e apaixonada com essa chance que o Moinho está nos dando. Eu também participei da primeira edição e ganhei novos clientes. Moro no bairro Ponte Preta e o ateliê é na minha casa”.

O melhor lugar para abrigar a Feirinha

 

O projeto Feirinha de Negócios da Zona Norte é uma parceria do Moinho com a Enactus, rede de empreendedorismo social universitário global que está presente em 38 países e em mais de 120 universidades brasileiras. Em Juiz de Fora, oferece quatro projetos de estímulo ao desenvolvimento social, por meio do empreendedorismo seguindo a Agenda 2030 (17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) da ONU.

 

Integrante da Enactus, Guilherme Coelho explica que Moinho foi escolhido para realizar o evento por ser um empreendimento que apoia e fortalece o mercado local, além de valorizar os empreendedores da Zona Norte.

 

“Nos juntamos ao Moinho com a proposta de fortalecer e estimular o empreendedorismo em Juiz de Fora. Escolhemos o empreendimento por ser um polo já conhecido nesse meio e porque a gente o vê como referência no assunto”, finaliza Guilherme.

 

 

“Se as famílias não estiverem bem financeiramente, as empresas não estarão e nem o país”

Alerta foi feito pela Pós-doutora em Finanças pela Universidade de Colúmbia, Fernanda Finotti, durante “Conversa com especialista”, no Moinho

 

Fernanda Finotti no Moinho

“É uma quebra de expectativa positiva muito grande, porque sempre que temos a oportunidade de conversar com alguém da área de finanças pensamos em um universo de ciências exatas, mas você trouxe uma pitada muito humana para sua apresentação”. Foi assim que o jornalista Danilo Martins, atento na plateia, definiu a “Conversa com o Especialista” realizada na terça-feira (12) com a secretária municipal de Fazenda da Prefeitura de Juiz de Fora, Fernanda Finotti.

 

Pós-doutora em Finanças pela Universidade de Columbia/NY e professora titular da UFJF, ela fez um paralelo entre vida pessoal e profissional. Para uma ir bem, a outra também deve estar, disse, ao apresentar sua trajetória pessoal.

 

Nascida em Carangola (MG), Fernanda já atuou profissionalmente na Fundação de Apoio e Desenvolvimento ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Fadepe), além de ser cofundadora da Financeiramente Pleno – empresa própria que ajuda a definir, alinhar e executar plano estratégico personalizado, considerando metas e recursos disponíveis -, e investidora anjo da Macabéa Pousada Paraty.

 

“Hoje, na Prefeitura de Juiz de Fora, administro orçamento de R$ 2,5 bilhões. Para o tanto de gasto que temos é pouco, e falta dinheiro para muita coisa. Não importa o quanto se ganha, e sim como se gasta”, frisou Fernanda Finotti. Ela observou ainda que o Brasil não será um país rico se todo mundo estiver passando dificuldade financeira. Família é a menor unidade econômica. Se ela não estiver bem, as empresas não estarão e nem o país.

 

Não viu? Quer rever? Clique aqui.

 

A importância do autoconhecimento

Após falar de sua própria jornada, Fernanda Finotti garantiu que ela não se resume a seu currículo, e aconselhou o público sobre a importância do autoconhecimento. “Eu falei do meu currículo, dos relacionamentos que tive, mas essa não sou eu. Para falar a vocês quem eu sou hoje, teria que ficar muito mais do que 30 minutos, e, mesmo assim, não seria suficiente. Nem eu sei a resposta para isso. Eu mudei muito nesse período, não foram só os empregos e as formações acadêmicas, o meu olhar para o mundo mudou. O processo de autoconhecimento é uma coisa que não se encerra. Precisamos olhar para gente, e não para esse monte de etiqueta que nos colocam. Sou alguém em processo de descoberta”.

É preciso saber aonde se quer chegar

A especialista também destacou que é muito importante reconhecer o momento de parar. Ao se tornar gestora pública, ela precisou fazer uma escolha. “Foi muito difícil deixar a academia para começar na gestão pública. À medida que alguma coisa dá certo, ela se torna um fardo na sua vida. Ao decidir pela gestão pública, quis me dar esse direito à novidade. Não quero ficar fazendo uma coisa, só porque sou boa. Há o ponto de parada”.

 

Ao fazer um balanço de sua vida, Fernanda constatou a importância de se ter um propósito, de saber aonde se quer chegar. Ela brincou que o seu era ajudar as pessoas, por isso o Universo lhe deu um monte de problemas diários. Agora, deseja viver em um mundo mais pleno e mais rico em valores e sentimentos. Deseja ver pessoas mais felizes e quer contribuir para isso.

 

“Cuidado com o que você deseja. Essa definição de propósito é muito importante, porque para onde a gente estiver olhando, é o que nós estaremos vendo. Não tem jeito de ver estrelas se você não olhar para o céu. Esse é o caminho que está escolhendo, e é isso que vai enxergar. Nos negócios, esse propósito é muito importante. É ele que você colocará na frente, será seu cartão de visitas. O propósito não é estático. Ele muda”, disse Fernanda.

Planejar para enfrentar os riscos

Como estamos em um mundo que muda a todo instante, é preciso que haja muito planejamento. Fernanda usou exemplos para explicar que o processo não deve ser um ponto de corte e que mudanças devem ser realizadas gradativamente para evitar os riscos. “Você dá um passo e o mundo te manda para trás, para que afirme seu propósito e sua mudança. Esteja seguro, faça devagar, avaliando os riscos e com planejamento. Em transição de carreira, o planejamento tem que acontecer nos níveis da pessoa física e da jurídica”, observou a secretária municipal.

 

“Muita gente larga emprego para começar negócio novo, mas não pensa como sobreviverá por um ano até que o negócio mature. Uma empresa nova é como um bebê. Não se pode querer que ele cuide de você. É você quem tem que cuidar dele, até que ele tenha perna suficiente para fazer o contrário”, continuou Fernanda.

 

“Você faz um investimento e se não estiver preparado financeiramente como empreendedor e pessoa, cobra do projeto o que ele não pode dar. Aí quebra e coloca a culpa no negócio, dizendo que era ruim, mas na verdade foi o planejamento de pessoa física que não foi suficiente”.

 

Depois do planejamento, é necessário controlar, readequar e redirecionar os recursos, à medida que o controle permite. Fernanda acredita que de tempos em tempos é preciso parar para fazer a reavaliação. Nesse momento descobre-se a impermanência, a consciência e a gratidão.

 

“Não me desespero mais com as coisas que deram errado. Demorei para aprender isso. Só há um jeito de aprender: vivendo. Vivam e tentem ser gentis com vocês mesmos quando o resultado não for tão bom assim como imaginavam”.

RedeMoinho Conversa com Especialista tem estreia aprovada – e com louvor.

“A base da criatividade é a diversidade”. Foi pensando nesta fala de Rafael Duton que a maioria dos participantes voltou para casa após a primeira edição do Conversa com Especialista. A estreia do novo programa da RedeMoinho, criado no intuito de estimular e fortalecer a rede empreendedora de Juiz de Fora e região, aconteceu na noite desta quarta-feira (30), reunindo 150 participantes no auditório e outras dezenas de espectadores em transmissão ao vivo, realizada pelo YouTube.

Rafael Duton é a primeira atração da RedeMoinho

O Programa RedeMoinho Conversa com Especialista recebe nesta quarta-feira, 30 de março, às 19h30, o empreendedor Rafel Duton, co-fundador da Movile, empresa líder em software mobile na América Latina, sendo responsável por vários produtos de sucesso como Ifood, Play Kids e Sympla. Também é fundador da 21212, aceleradora de startups digitais como MaxMilhas, PebMed, ZeroPaper, Memed, WeDoLogos.

 

No encontro, o especialista convidado pelo Moinho fala sobre tecnologia, perspectivas de futuro e desafios do setor. Formado em Engenharia da Computação pela PUC-RJ e empreendedor deste a faculdade, Rafael Duton ministrou aulas sobre empreendedorismo e inovação em instituições de referência no país, como a FGV, PUC-Rio, IBMEC e Fundação Dom Cabral. Atualmente, é membro do Conselho da Invest Rio e Venture Partner da Crescera Capital.

Moinho e Enactus/UFJF lançam edital para a II Feirinha de Negócios locais da Zona Norte

Estão abertas as inscrições para que micro e pequenos empreendedores da Zona Norte de Juiz de Fora participem da segunda edição da Feirinha de Negócios Locais da Zona Norte, realizada pelo Moinho em parceria com o Projeto Feirinha da Enactus/UFJF. O objetivo do projeto é fortalecer os negócios locais, criando oportunidades para comercialização de produtos e serviços e estimular o empreendedorismo por meio da Rede Moinho de Desenvolvimento de Negócios Locais.