Carnaval do Moinho terá Parangolê Valvulado, Bloco Só Love e bateria da União das Cores

 

Ano passado a animação foi por conta do bloco Só Love

Ano passado a animação foi por conta do bloco Só Love

 

O Moinho vai esquentar os embalos pré-carnavalescos de Juiz de Fora com um final de semana que promete muita alegria e diversão. Nos dias 4 e 5 de fevereiro, das 14h às 20h, os blocos Só Love e Parangolé Valvulado e a bateria da Escola de Samba União das Cores, do bairro Milho Branco, agitam os foliões no estacionamento. Será um evento para toda a família, com food trucks, barracas de comida e bebidas e brinquedos para a criançada.

 

“Essa programação é a certeza de uma festa muito animada, oferecendo, não apenas aos moradores da Zona Norte, mas da cidade como um todo, a possibilidade de consumir cultura em um momento de lazer e muita troca”, conta o gestor de Comunidade do Moinho, André Noronha.

 

No sábado, dia 4, a animação fica por conta do Parangolé Valvulado, bloco de carnaval formado por artistas e músicos que, há 15 anos, arrasta multidão em seu desfile tradicional no carnaval de Juiz de Fora. No mesmo dia, a bateria da Escola de Samba União das Cores vai ditar o ritmo para os apaixonados por samba com muito praticumbum e ziriguidum.

 

Já no domingo, dia 5, a animação estará a cargo do Bloco Só Love. Formado em 2019, traz a pegada retrô, fazendo releituras de sucessos de grandes artistas da música pop, além de pagode e sambas-enredo campeões do carnaval brasileiro. Nos dois dias da folia pré-carnavalesca do Moinho, a presença de DJ’s vai completar a festa.

 

“Assim como no ano passado, teremos o Só Love, que é um parceiro do Moinho. O Parangolé Valvulado tem um trabalho autoral muito bacana e a bateria da Escola de Samba União das Cores é do nosso território de influência”, observa André entusiasmado e na expectativa de uma grande festa popular.

Moinho passa a integrar rede da co.liga, escola virtual da Fundação Roberto Marinho

coligaUma escola virtual com cursos gratuitos voltados para a Economia Criativa e espaço colaborativo para o fortalecimento de redes capazes de conectar juventudes, profissionais e empresas. Esta é a co.liga, uma iniciativa da Fundação Roberto Marinho, que acaba de ganhar o reforço do Moinho para a expansão de seu alcance, visando a formação e a inclusão produtiva de jovens em vulnerabilidade social no mercado de trabalho.

 

Destinada prioritariamente para as classes C, D e E, a co.liga atua nos eixos de educação, trabalho e comunidade, oferecendo conteúdo educacional desenvolvido por profissionais do mercado, mentoria para apoiar a formação dos estudantes, oportunidades de trabalho oferecidas por empresas e uma comunidade de ‘co.legas’ para a troca de conhecimento e experiências.

 

Inicialmente, são oferecidos 37 cursos livres de curta duração segmentados em cinco áreas da Economia Criativa (Patrimônio, Música, Multimídia, Design e Artes Visuais), além de temas transversais que dão suporte à trajetória dos jovens, como empreendedorismo, línguas estrangeiras, cidadania e elaboração de projetos culturais.

 

Entre as opções segmentadas, estão cursos de fotografia, design para web, roteiro audiovisual, turismo para cidades criativas, produção musical, produção de infográficos e muitos outros. Todos as formações são oferecidas de modo online e cada estudante escolhe sua trajetória, acessando a plataforma quando e onde puder, por celular ou computador.

 

Jovens têm acesso gratuito à Internet no Moinho

 

Com a parceria, os jovens de Juiz de Fora poderão utilizar o espaço Acolher e Informar, no Moinho, que possui acesso liberado à internet, para frequentar a escola virtual. A intenção, no entanto, é que, em breve, a oferta de serviços seja ampliada.

 

“Estamos mapeando uma necessidade chave da cidade para a formação no que diz respeito à Economia Criativa, a fim de criar uma trilha especial, seja para o audiovisual ou marketing digital, por exemplo. Estamos fazendo também uma curadoria, para identificar os cursos de maior interesse. Desta forma, construiremos e ofereceremos uma jornada que faça mais sentido para os jovens e para o mercado de trabalho”, explica o Gestor de Comunidade do Moinho, André Noronha.

 

Segundo ele, a atuação em rede para potencializar a comunidade é uma premissa do empreendimento. “Por isso, vamos mobilizar outros atores da Zona Norte, sejam escolas, ONG’s ou projetos, para que conheçam a metodologia da co.liga e implementem em seus infocentros, em seus núcleos de informática, espaços para que os jovens possam estudar”, acrescenta André.

 

Iniciativa também está focada no mercado de trabalho e em redes de colaboração

 

No eixo do trabalho, a co.liga promove a conexão dos estudantes com o mercado: empresas, gestores, produtores, desenvolvedores e empreendedores ‘coligados’ oferecem, na própria plataforma, oportunidades de trabalho para os estudantes, a partir de uma rede de parcerias estratégicas organizada pela co.liga. Os estudantes também podem compartilhar seu portfólio no mesmo ambiente virtual.

 

Já a comunidade da escola abriga espaço de compartilhamento, reconhecimento e valorização, com uma programação cultural online que inclui debates, palestras, aulas abertas, shows, leituras e diversas atividades que ampliam a formação. A co.liga tem abrangência nacional para estimular ecossistemas econômicos regionais, diminuindo as desigualdades no acesso à cultura.

 

Economia Criativa tem mercado promissor

 

De acordo com Mapeamento da Indústria Criativa 2022, realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), “em 2020, o PIB Criativo totalizou R$ 217,4 bilhões – valor comparável à produção total do setor de construção civil (que em 2020, também figurou em cerca de 2,9% do PIB total) e superior à produção total do setor extrativista mineral”, diz o relatório.

 

“Entre 2018 e 2020, a tendência de alta, observada ao longo de toda a série histórica, se intensificou significativamente. Sob um ponto de vista agregado, isso implica que a performance econômica da Indústria Criativa tem sido melhor do que aquela observada para a economia como um todo”.

 

Isto sem contar que, em 2022, a Prefeitura de Juiz de Fora anunciou esforços e articulações para transformar a cidade em um polo internacional de Economia Criativa. O anúncio foi feito pela prefeita Margarida Salomão, durante realização do Fórum Próximo Futuro que reuniu experts do Brasil e do mundo. À época, ela destacou que o município tem motivos suficientes para acreditar que pode ser expoente de uma nova economia que deriva da relação entre inovação, cultura, tecnologia, sustentabilidade e criatividade.

 

Interessados podem se informar pelo WhatsApp (32) 99130-0549.

Escola de Música Dubdgoz planeja dobrar número de alunos em 2023

Escola de Música Dubdgoz planeja dobrar número de alunos em 2023

Emocionante. Esta é a palavra que melhor traduz o que foi o Recital de Natal apresentado pelos alunos da Escola de Música Dubdogz, como atividade de encerramento do primeiro ciclo do projeto social desenvolvido pela dupla de DJs, Marcos e Lucas Schmidt. Realizado no auditório do Moinho, o evento reuniu familiares e incentivadores do projeto que poderá dobrar o número de ofertas em 2023.

 

“Estamos muito felizes por ter inaugurado essa escola que era um sonho antigo. É muito gratificante constatar que deu tudo certo nesse primeiro ciclo. Ver essa apresentação das crianças foi o máximo. Agora estamos lutando para que no ano que vem a gente possa, pelo menos, dobrar o número de alunos, ter mais aulas e professores. Nossa meta é expandir cada vez mais”, comemorou o DJ Lucas Schmidt.

 

O aposentado João da Silva, avô das alunas Anne e Valentina, estava orgulhoso ao assistir à apresentação das netas que, segundo ele, se desenvolveram bastante em diferentes aspectos. “Ver as meninas nesse recital foi muito emocionante. As aulas foram muito importante para elas. Até o aprendizado na escola melhorou. Elas ficavam muito empolgadas e até me acordavam para trazê-las. Não gostavam de faltar a nenhum dia”, contou empolgado.

 

Com apenas seis anos de idade, Ana Luiza Ferraz fez aulas de canto na Escola de Música Dubdogz. Sua mãe, Angélica Ferraz, explicou que a menina sempre chegava em casa empolgada. “Ela amou fazer parte desse projeto. Me contava tudo que acontecia nas aulas, as músicas que cantava e as atividades desenvolvidas. Vê-la cantar nesse recital foi lindo, muito emocionante”, elogiou.

 

Projeto social beneficiou 40 crianças em 2022

 

Lançada em setembro de 2022, a iniciativa social beneficiou 40 crianças com aulas gratuitas de canto, flauta doce, violão e DJ. O Moinho é parceiro da escola com cessão de espaço físico para realização das aulas e apresentações. Financiado pela dupla de DJ’s que forma o Dubdogz, além de contribuições de patrocinadores que investem em impacto social, o projeto oferece instrumentos musicais, para a prática dos alunos, doados pelos irmãos Schmidt, que são gêmeos.

 

“O Moinho é espetacular. Quando viemos pela primeira vez ficamos doidos. Tudo é de primeira qualidade. Queremos continuar com a parceira por anos”, destacou Marcos, logo após a apresentação dos alunos que deixou a dupla ainda mais encantada.

 

“Feliz Ano novo, criançada. Continuem escutando muita música e praticando bastante. Não deixem esse sonho acabar. Vai ter dificuldade, mas se continuarem batalhando, vocês podem se tornar profissionais da música”, incentivou Lucas, ao final do evento. Um empurrãozinho para lá de especial, vindo de quem está com agenda cheia em 2023.

 

“Em janeiro vamos ficar 15 dias nos Estados Unidos para tocar em oito cidades. Em março, vamos para a Ásia e, no meio do ano, tocaremos na Europa”, explicou Marcos.

 

 

MÚSICAS APRESENTADAS PELO CORAL

A paz (Roupa Nova)

Natal todo dia (Roupa Nova)

Natal Brasileiro (David Pussi)

Dias melhores (J. Quest)

 

MÚSICAS TOCADAS NA FLAUTA

Dois por dez (Cantiga popular)

Clarão da Lia (Garotos de Ouro)

A ovelha de Maria (Novos Horizontes)

 

MÚSICAS TOCADAS NO VIOLÃO

Gostava tanto de você (Tim Maia)

La bella luna (Paralamas do Sucesso)

 

Alunos da Escola Dubdogz celebram fim de ano com Recital

 

Depois de quatro meses de dedicação, é chegada a hora dos alunos da Escola de Música Dubdgoz apresentarem à família e aos amigos o que aprenderam no primeiro ciclo do projeto desenvolvido pela dupla de DJs, Marcos e Lucas Schmidt. O Recital de Natal, que marca o encerramento do ano, será realizado no próximo dia 26, às 19h no auditório do Moinho.

 

Lançada em setembro, a iniciativa social beneficia 40 crianças com aulas gratuitas de Canto, Flauta, Violão e DJ. Bem-sucedido, o projeto continua em 2023 com a expectativa de oferecer ainda mais vagas. “Vi uma mudança nítida. A timidez melhorou. Ela está mais segura, focada e feliz! Fica doida pra chegar o dia da aula”, conta Vânia Mara Belozzi Lopes, mãe da aluna da turma de DJ, Maria Clara Lopes. “Lá em casa estão todos empolgados. Já pensam em seguir na música como profissão mesmo”, completa Cristiane Zimmermann, que tem dois filhos na escola: Lara e Aristides.

 

Parceiro da Escola Dubdogz, o Moinho é o palco para a realização das aulas ministradas sempre às segundas e terças-feiras. No início do próximo ano, serão abertas novas vagas e, para se inscrever é necessário ter entre 7 e 17 anos e ser aluno de escola pública. O projeto é financiado pela dupla de DJ’s que forma o Dubdogz e por meio de doações de empresas patrocinadoras que acreditam na capacidade que a música tem de gerar impacto social. Todos os instrumentos da escola foram doados por Marcos e Lucas Schmidt que são gêmeos. “Estudamos música desde pequenos e essa é uma forma de retribuir o que ela fez por nós, afirmam os irmãos.

 

Entre os Top 10 no exterior

O Dubdogzs termina 2022 comemorando dois grandes feitos para a cena eletrônica brasileira. A dupla alcançou um novo patamar na carreira e figura no ranking TOP 100 DJS da revista DJ Mag. Na semana passada, conquistaram a sétima posição entre os brasileiros mais escutados no exterior no Spotify.

 

Presente nos maiores festivais do mundo, como Tomorrowland, Lollapaloosa e Rock in Rio, o Dubdogz tem como propósito fazer música para unir as pessoas, celebrar a vida e ajudar a cena brasileira a crescer cada vez mais.

 

Os números evidenciam o sucesso dos irmãos. O Dubdogz já alcançou mais de 5,3 milhões de ouvintes mensais no Spotify, tem mais de 550 mil seguidores no Instagram e mais de 250 mil inscritos no canal do Youtube

Para o Moinho, inovar é gerar valor para a sociedade do século 21

 

Instituto Caldeira, em Porto Alegre, foi fundado por 42 grandes empresas do Rio Grande do Sul

 

Elas são fontes de inspiração nas ações de prospecção e benchmarking para o desenvolvimento do hub de inovação do Moinho. Consolidadas, iniciativas, como Instituto Caldeira, Onovolab e Órbi Conecta fomentam a criação de ecossistemas inovadores em diferentes estados brasileiros, a partir do princípio básico da colaboração e da cooperação. Unindo marcas tradicionais, governos, universidades e startups conseguem aproveitar as potencialidades de cada segmento, para incentivar novas formas de se fazer negócios e prosperar, tendo conceitos como ESG (Meio Ambiente, Social e Governança) e os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável como norte.

 

Mas o que é de fato inovação e por que ela e tão vital para nossos dias? Muito mais do que um fenômeno tecnológico, inovar significa romper com modos arraigados de pensar e agir, sendo, portanto, muito mais um fenômeno de transformação social. Daí, porque acredita-se que seja tão difícil de ser colocada em prática, graças à sua relação direta com a transformação, sobretudo do pensamento, enquanto as crenças que caracterizam o mundo dos negócios ainda estão fortemente ancoradas em modos ultrapassados de produção sem conexão com as propostas da sustentabilidade. Inovação, antes de tudo, requer criatividade e coragem, para traçar um caminho que implique na geração de valor para uma nova economia. A economia do século 21.

 

Estes são os principais embasamentos que levam o Moinho a prospectar hubs de inovação no Brasil, como o Instituto Caldeira, em Porto Alegre (RS), Onovolab, em São Carlos e Indaiatuba (SP), o Civi-co e o OásisLab, em São Paulo (SP), Orbi, P7 Criativo e Mining Hub, em Belo Horizonte (MG), ACATE, em Florianópolis (SC), e Hotmilk e Vale do Pinhão, em Curitiba (PR). Já no exterior, a inspiração vem do LxFactory (Lisboa), Station F (Paris) e Base (Milão).

 

Pelo que representam para o ecossistema da inovação no Brasil, vale a pena um breve mergulho para conhecer alguns deles.

 

Instituto Caldeira

Sem fins lucrativos, conecta pessoas e iniciativas, através de um hub de inovação e sua comunidade que busca maior competitividade e o fomento do ecossistema da nova economia. Fundado por 42 grandes empresas do Rio Grande do Sul, seu propósito é impulsionar transformações positivas e concretas no estado, tomando como base a inovação. O Caldeira conecta grandes marcas, startups, universidades e poder público, para promover a transformação digital dos negócios e o fomento do ecossistema gaúcho.

Conheça: institutocaldeira.org.br

 

ONOVOLAB

“Gente normal não muda o mundo”, diz uma das frases em destaque no site do ONOVOLAB. Um ecossistema de inovação que reúne comunidades de inovadores em cinco cidades do interior de São Paulo e em Porto Alegre (RS) capazes de reunir diferentes “espécies” dispostas a fomentar e desenvolver inovação. Entre elas, universidades, entidades de fomento, startups e corporações que desfrutam de serviços, como ambientes compartilhados, calendário de eventos e marketing place.

Conheça: onovolab.com

 

Órbi Conecta

Um dos pioneiros no Brasil, é um hub de inovação e empreendedorismo digital sediado em Belo Horizonte. Foi fundado em 2017 pela comunidade de startups San Pedro Valley, juntamente com três grandes empresas mineiras: Inter, MRV e Localiza. O Órbi Conecta se apresenta como lugar para gerar conexões e construir futuros desejáveis, aproximando startups, corporates e talentos para impulsionar o mercado de tecnologia e inovação. Seus três pilares são o Órbi for Startups, o Órbi for Corporates e o Órbi Academy.

Conheça: orbi.co

Moinho será ponto de concentração para caminhada pelo fim da violência contra mulheres e meninas

A quinta edição da “Caminhada pelo fim da violência contra mulheres e meninas”, realizada pelo Grupo Mulheres do Brasil, promete mobilizar milhares de pessoas no domingo, dia 4 de dezembro, em todo o país. Em Juiz de Fora, a concentração será no Moinho, a partir das 9h. De acordo com os organizadores, o evento tem como objetivo sensibilizar toda a sociedade para comportamentos violentos que vão muito além da agressão física.

 

“É importante reconhecer e denunciar, mudando a opinião pública e derrubando mitos e paradigmas; construir estratégias integradas, unindo esforços com quem já trabalha pelo tema, promovendo a integração de movimentos que lutam pela erradicação da violência contra mulheres e meninas e o poder público; e garantir ações de transformação e combate, além de uma assistência adequada às vítimas de violência, lutando por legislações favoráveis e pela recuperação dos agressores”, diz documento distribuído pelo grupo.

 

“O Moinho foi escolhido porque é conexão. É um lugar acolhedor, agregador e transformador na vida da comunidade. Essa conexão, esse movimento, essa energia grandiosa é que nos fez escolher esse espaço como ponto de partida. O Moinho abraça a comunidade”, conta Paula Serrano, que é uma das Líderes do Núcleo do Grupo Mulheres do Brasil em Juiz de Fora, ao lado de Yasmin Moreira e Raquel Sousa.

 

O Combate à violência contra mulheres e meninas é uma pauta global. Indicadores publicados no Mapa da Violência e notícias que estampam frequentemente o noticiário comprovam o aumento de agressões de diferentes naturezas contra mulheres e meninas em todo o mundo.  Em Juiz de Fora, a cada dia, 11 mulheres vítimas de violência registram denúncias contra seus agressores amparadas pela Lei Maria da Penha.

 

De acordo com levantamento feito a partir de registros policiais, entre os acusados de agressão, 73,1% são cônjuges, ex-cônjuges ou namorados das vítimas. De todas as vítimas de violência com registros na cidade, 57,5% são mulheres negras e pardas e 36,8% são brancas. Os dados são de 4.033 boletins de ocorrências registrados pela Polícia Militar durante todo o ano de 2021 e obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

 

Acredita-se que se não fosse a subnotificação, os números seriam ainda mais graves. Portanto, este é um assunto que afeta toda a comunidade. A sociedade pode colaborar encorajando e fazendo denúncias, para que a Lei Maria da Penha seja cumprida. A violência traz um alto custo social: traumas emocionais e físicos às vezes irreparáveis, geração de órfãos da violência e aumento do absenteísmo nas empresas, dentre outros.

Conversa com o Especialista chega a 9ª edição e promove capacitação em estratégias de vendas

Com o tema Hackeando Vendas, o evento traz estratégias de como potencializar os resultados do seu negócio

 

A 9ª edição da Conversa com o Especialista acontece no dia 23 deste mês, às 19h, no auditório do Moinho. Com o tema Hackeando Vendas, o evento reúne três especialistas para promover a capacitação de empreendedores nas estratégias de desenvolvimento de negócios a partir da potencialização de vendas. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do site. As vagas são limitadas.

 

Nesta edição, Vítor Baesso, CEO do Grupo Hackeando Processos e especialista em Operações de Vendas B2B (do inglês Business to Business, ou seja, negócios entre empresas); Danilo Martins, publicitário e especialista em Gestão de Negócios e Marketing; e Gabriel Machado, CEO do FaçaAgora serão os palestrantes.

 

Segundo o Gestor de Inovação do Moinho, Arthur Avelar, a Conversa com o Especialista, realizada em parceria com outras organizações da cidade, tem o objetivo de capacitar pessoas para promover a cultura da inovação. “Todos os profissionais convidados são referência nas suas áreas e sabem da importância de conectar pessoas para o fortalecimento do ecossistema. Não só as que empreendem, mas também as que querem empreender. Uma vez conectadas, elas têm a oportunidade de potencializar seus resultados”, pontua. 

 

Estruturação da área de vendas

Da teoria à prática, a imersão visa traçar estratégias de como estruturar a área de prospecção e vendas da empresa por meio do uso de metodologias inovadoras. Serão apresentadas ferramentas que auxiliam a gestão do processo de prospecção e automatizam o fluxo de potenciais clientes do negócio. A formação de uma mesa redonda com os especialistas finaliza o evento para promover networking e a troca de conhecimento. 

 

Conversa com Especialista

A Conversa com Especialista integra a RedeMoinho, iniciativa com diversas atividades e eventos, para estimular a conexão e fortalecer a rede empreendedora de Juiz de Fora. Profissionais de referência dos mais diversos segmentos são convidados para um bate-papo inspirador e transformador, no auditório do Moinho, gerando reflexões, oportunidades e integração entre os diversos atores do ecossistema de inovação.

 

Para Hyamanna Souza, CEO da startup Para Elas Mobilidade, sediada no Moinho, “o evento promove um ambiente propício para compartilhar conhecimento. É maravilhoso porque com essas informações, conseguimos diminuir de 30% a 40% alguns erros. Com isso, a gente ganha tempo e economiza esforço para alavancar o negócio. Participar das conversas é um ganho muito grande para o meu empreendimento”, ressalta. 

Confira os selecionados da VII Feirinha de Negócios Locais

Confira o resultado do processo de seleção do Projeto Feirinha, uma iniciativa do Moinho em parceria com a Enactus. Foram selecionados 20 pequenos e microempreendedores para participarem como expositores do evento que será realizado dia 12 novembro de 2022.

 

Confira o nome dos selecionados:

Bárbara dos Santos de Paula – Doce Pérola. @doceperolabr
Débora e Michel Fogaceiros – Fogaça artesanal. @fogaceirosjf
Lucas Izan Oliveira Rodrigues – Foju. @foju.doces
Cirmara da Silva Santos – Licor do Porto. @licordoportojf
Renata Calichio – Bem Caramelo Confeitaria Artesanal. @bemcaramelo
Lucia Maria Medina Floresta – Medinas Biju. @medinas_biju
Gláucia de Oliveira Morato Machado – Ateliê GláuciArte. @atelieglauciarte
Vanderleia de Souza Almeida – Vanderleia crocheteria. @vanderleiacrocheteria
Priscila Ferraz Baltar – Multveg. @MULTVEG
Leslye Marques do Valle – Âmbar Produtos. @ambar.produtos
Raquel Henriques de Andrade Mendes – Raquel Andrade doces. @raquelandradedoces
Paula Ferreira Oliveira Santos – Paula Ferreira Acessórios Handmade. @paulaferreiraacessorios
Hiara Soares Rodrigues – Pães 3m Artesanais. @paes3m
Michele Soares Henriques – Yogano Cosmésticos Veganos. @yogano_cosmeticosveganos
Rosilene Alves da silva – Art da Rose. @art_darose
Alessandro Ribeiro Vaz – Imperial Aromas. @imperial.aromas
Renata Prata dos Santos – Azeites Saborizado Kochen. @Azeiteskochen.renata
Mariana de Oliveira Falce Garcia – Natu Produtos Artesanais. @natuprodutosartesanais
Gisele Aparecida de Lima Ferreira – Delícias da Gigi. @giseleconfeiteira
Aline de Melo Nogueira Martins – Livros e brinquedos em feltro. @ateliealinemartinsjf

Confira os selecionados da VI Feirinha de Negócios Locais


Confira o resultado do processo de seleção do Projeto Feirinha, uma iniciativa do Moinho em parceria com a Enactus. Foram selecionados 20 pequenos e microempreendedores para participarem como expositores do evento que será realizado dia 15 de outubro de 2022.

 

Confira o nome dos selecionados:

Maria Adriana Martins de Almeida – Rústico Empório Artesanal. @rustico.emporioartesanal
Patrícia Loures de Castro Reis – Chica de Minas. @chicasdeminas
Amanda Sousa Bittar – Sabor de Céu Doceria. @sabordeceudoceria_
Alessandro Ribeiro Vaz – Imperial Aromas. @imperialaromas
Silvania Gonsalves de jesus – DoSis churros Espanhol. @dosis_atelie_segredoces
Beatriz Cristiny Mendes Pereira – Amorato Brownie. @amoratojf
Michel Navarro dos Reis Vitalino – Fogaceiros, Fogaça Artesanal. @fogaceiros
Roberta Paulina Tertolino da Silva – Atelier RaRo. @robertatertolino
Carolina Monaquezi – Poá Costura Criativa. @poacosturacriativa
Ana Paula Vitorino da Silva – Bast’ana art bordado em bastidor. @bastanaart
Michelle salgado Peixoto – MonPetit Confeitaria Artesanal. @monpetit_confeitaria
Rose Alves Rose Alves –  Feito a mão. @rosealvesfeitoa
Renata Priscila Silva de brito – Sabores da Renata. @saboresdarenata
Pablo Rafael Teixeira Mattos – Lanchonete Estação do Suco. @estacaodosuco317
Aline de Oliveira Fernandes – Ateliê Lindezas da Lili. @atelielindezasdalili
Luciana Schroder – Magia do Gin. @magiadogin
Barbara de Freitas Leonardo – Griffe Kids. @griffekids_jf
Lucas Rômulo – Dosh Donuts. @doshdonuts
Mariana de Oliveira Aarestrup – MOA Acessórios. moa.acessoriosjf
Michele Soares Henriques – Yogano Cosméticos Veganos. @yogano_cosmeticosveganos

Fachada de vidro reduzirá custo com energia elétrica em 20% no Moinho

Leo, Kamila e Oriel Até abril de 2023, o novo prédio construído em anexo ao da Moradia, no complexo do Moinho, será revestido com pele de vidro prata que, além da beleza estética, apresenta eficiência energética, reduzindo em 20% o uso de ar-condicionado nos andares, ao bloquear a entrada de luz e calor. Com 12 pavimentos, o prédio destinará nove deles para locações comerciais e três para ocupação residencial. 

 

“Estamos com as obras civis bem adiantadas e previsão de finalização em janeiro de 2023. Aí teremos a instalação da pele de vidro, que deve ser finalizada até abril do próximo ano. Essa obra foi pensada e será executada com um conceito bem moderno. É um vidro prata refletivo. Quem olhar a fachada do Moinho perceberá a história do antigo silo de concreto, mas também verá esse toque de modernidade como nas grandes capitais brasileiras e no mundo”, explica o engenheiro Leonardo Franco.  

 

“Fico feliz em participar, não só por conta da obra em si, mas por aprender muito com o retrofit de um projeto complexo. Tudo requer muito cuidado e estudo. E as variáveis comerciais nos impõem também questões de adaptação”, observa Leonardo. “Além disso, tudo o que o Moinho representa para a cidade com o objetivo melhorar o ambiente de negócios, de apoiar as pessoas e empresas, no desenvolvimento social e no empreendedorismo, me motiva muito”, acrescenta o engenheiro.  

 

O analista de projetos, Oriel Almeida, compartilha a mesma opinião. “Poder ver e participar dessa transformação do Moinho é extremamente gratificante, além de gerar um know how profissional diferenciado por se tratar de um retrofit complexo”, diz. Auxiliar de engenharia, Kamila Neto também não esconde o orgulho em fazer parte do time. “O Moinho é um empreendimento incrível, não só pela estética, mas também pelo conceito, impulsionando a inovação por ser um espaço de convivência diferenciado, inspirador e aconchegante”, aposta Kamila.