Moinho Zona Norte

Moinho LAB busca desenvolver cultura empreendedora por meio da inovação

4 de agosto de 2021 - 16H49

Uma oportunidade concreta de conectar o ecossistema nacional de impacto através de pessoas, projetos, tecnologias e inovação, com o objetivo de transformar a cultura e realidades, visando o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida.

Esse é o desafio do Moinho LAB, hub de impacto socioambiental dedicado a fomentar projetos de empreendedorismo e inovação, para fortalecer negócios locais e startups em Juiz de Fora, por meio do acesso a programas de capacitação, mentoria, aceleração, fundos de investimento e a um espaço físico especialmente planejado para estimular conexões.

Fruto de um minucioso trabalho de pesquisa e escuta ativa que envolveu, em diferentes etapas, lideranças, comunidades, instituições do primeiro, segundo e terceiro setores da cidade, durante aproximadamente seis meses, o Moinho LAB tem a proposta ousada de fazer reverberar o mais próximo e o mais longe possível as narrativas que servem de pilar para os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), dos quais o Brasil é signatário, e da cultura ESG, associada a práticas sociais, ambientais e de governança corporativa que têm evidenciado o compromisso das empresas com a sustentabilidade.

Para um grupo de quatro jovens empreendedores, no entanto, o Moinho LAB é isso tudo e mais um pouco, porque representa a oportunidade de contribuir para que Juiz de Fora retome sua história de pioneirismo e de empregar seus saberes na cidade que escolheram viver. Arthur Avelar, Fernando Souza, Guilherme Oliveira e Rafael Vitoi têm total consciência da missão que estão abraçando e do quanto ela representa a materialização de seus próprios sonhos

À frente da iniciativa que traduz e sintetiza o maior de todos os propósitos do Moinho, os quatro se dividem entre os desafios de tornar real duas linhas de atuação: fortalecer e desenvolver os negócios locais, e também coordenar a criação de um polo de startups ligadas à inovação social e ambiental.

Cultura da prosperidade para além do espaço físico

Com experiência comunitária e no estabelecimento de relações e negócios com organizações dos diferentes setores da economia, o Gestor de Comunidade do Moinho LAB, Guilherme Oliveira, observa que o Moinho traz a cultura da prosperidade, para muito além do seu privilegiado espaço físico.

Diretamente envolvido com a proposta de fomentar o empreendedorismo local, ele acredita que, à medida em que o LAB for constituindo um banco de dados de empreendedores da região do entorno e da cidade como um todo, será possível avançar ainda mais na oferta de serviços e interligar os negócios já existentes aos novos que serão constituídos dentro do hub.

A iniciativa inaugural é a realização do Projeto Feirinha, em parceria com a Enactus UFJF, rede mundial de empreendedorismo social universitário, que já desenvolve diversas ações, incluindo uma ação semelhante no bairro Eldorado.

A chamada de negócios, inclusive, para inédita edição da Feirinha na Zona Norte já está aberta, para acessar o edital completo clique aqui, e a expectativa é envolver mais de 40 feirantes no evento previsto para agosto, mas que será realizado conforme as condições sanitárias favoráveis em função da pandemia de Covid-19. Guilherme explica que a Feirinha é um chamariz não apenas para pequenos empreendedores da região dos mais diversos segmentos, mas também para o público universitário que será envolvido diretamente em sua realização.

“Os jovens são vitais para o desenvolvimento da segunda frente do Moinho LAB, que são as startups, seja pela atuação em hackatons, incubação, inovação aberta e empreendedorismo. Temos muitos talentos em Juiz de Fora capazes de cocriar soluções inovadoras, criativas e de impacto socioambiental. Reter estes talentos é um desafio”, destaca Guilherme.

Hub terá chamada para projetos em agosto

Em agosto, a comunidade empreendedora de Juiz de Fora já poderá participar da chamada de negócios para o Moinho LAB. Segundo o Gestor de Novos Negócios, Rafael Vitoi, o grupo planeja a abertura de quatro delas, sendo três focadas no ecossistema de saúde, educação e cidade, e uma quarta chamada direcionada para negócios transversais que ofereçam suporte aos outros residentes do coworking, como empresas de contabilidade, treinamento, por exemplo.

O hub ocupa o quinto e o oitavo andares do prédio que abriga negócios na área de Educação. “O quinto andar possui um auditório que já está pronto para receber até 200 pessoas e salas multiuso, em fase de execução, para cursos, treinamentos e capacitações”, explica o Gestor Comercial, Arthur Avelar. O oitavo andar, em fase final de obras, abrigará o coworking com capacidade inicial para 106 posições destinadas às startups que terão também a opção de ocupar salas privativas.

“Vamos fornecer um pool de soluções para fortalecer as startups e programas para acelerar seu desenvolvimento, além de um grande espaço para que se estabeleçam e façam interações. O hub também terá um rol de eventos com bastante conteúdo focado em inovação”, finaliza o Gestor administrativo, Fernando Souza ao enfatizar que toda a infraestrutura pensada para o Moinho – Saúde, Educação, Comércio e Moradia – vão oferecer um ecossistema completo e integrado para todos os usuários.

Por dentro do Moinho LAB

  • Auditório com capacidade para até 200 pessoas
  • Salas privativas
  • Salas de reunião
  • Salas multiuso
  • Cabines de call
  • Estrutura moderna e completa;
  • Flexibilidade de uso;
  • Possibilidade de locação por hora;
  • Perfeito para receber cursos livres, treinamentos, MBAs, reuniões e eventos empresariais;
  • Estação dedicada
  • Recepção física e virtual
  • Internet de alta performance
  • Segurança e monitoramento 24 horas
  • Bicicletário
  • Escaninho
  • Café
  • Copa compartilhada
  • Estacionamento
  • Eventos de networking

 

O Moinho

O Moinho, empreendimento que está revitalizando as antigas instalações do Moinho Vera Cruz, localizado na Zona Norte de Juiz de Fora, é um polo de empreendedorismo, inovação e criatividade. O empreendimento dialoga com as necessidades atuais da Zona Norte por Saúde, Educação, Moradia e Comércio, mas mira o seu olhar no futuro, contribuindo para a criação de uma nova centralidade e de um jeito novo de ver, sentir, pensar e viver a cidade, agora e no futuro.

Leia também